Agora é Lei!

No último dia 20 de setembro foi sancionada a Medida Provisória (MP) da Liberdade Econômica agora convertida na lei n° 13.874, que busca reduzir a burocracia e facilitar a abertura de empresas. A lei aprovada visa melhorar o ambiente dos negócios no país, podendo gerar no prazo de dez anos o crescimento de 7% da economia brasileira.

É válido ressaltar que houve alterações relevantes de artigos do Código Civil, Consolidação das Leis do Trabalho, Lei de Sociedade por Ações, entre outras leis.

Quanto a área Empresarial, podemos destacar:

  • O registro automático dos atos de constituição, alteração e extinção de empresário individual, EIRELI, Sociedade Limitada e Cooperativa;
  • A criação da Sociedade Limitada Unipessoal “único sócio” para a formação de sociedades empresariais;
  • A dispensa de alvará de funcionamento para atividades de baixo risco;
  • A limitação do poder do Estado ao criar a figura do abuso regulatório e determinação de prazos para que os órgãos respondam aos pedidos dos empresários;
  • A desconsideração da personalidade jurídica, que proíbe a cobrança de bens de outra empresa do mesmo grupo econômico para saldar dívidas de uma empresa e a segurança jurídica quanto a proteção do patrimônio de sócios, associados, instituidores ou administradores de uma empresa será separado do patrimônio da empresa em caso de falência ou execução de dívidas e reforça os princípios do livre mercado;
  • Os documentos públicos digitalizados terão o mesmo valor jurídico e probatório do documento original arquivado nos respectivos órgãos de registros.

Já na área Trabalhista, destacam-se:

  • O registro dos horários de entrada e saída do trabalho passa a ser obrigatório somente para empresas com mais de 20 funcionários. Antes, a legislação previa esta obrigação para empresas com mínimo de dez empregados; O trabalho fora do estabelecimento deverá ser registrado e a permissão de registro de ponto por “exceção”, por meio do qual o trabalhador anota apenas os horários que não coincidam com os regulares. Essa prática deverá ser autorizada por meio de acordo individual ou coletivo;
  • O Sistema de Escrituração Digital de Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (e-Social), que unifica o envio de dados de trabalhadores e de empregadores, será substituído por um sistema mais simples, de informações digitais de obrigações previdenciárias e trabalhistas;
  • A emissão de novas carteiras de Trabalho pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia ocorrerá “preferencialmente” em meio eletrônico, com o número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) como identificação única do empregado. As carteiras continuarão a ser impressas em papel, apenas em caráter excepcional;
  • A partir da admissão do trabalhador, os empregadores terão cinco dias úteis para fazer as anotações na Carteira de Trabalho. Após o registro dos dados, o trabalhador tem até 48 horas para ter acesso às informações inseridas.

A Lei cria também a figura do abuso regulatório, para impedir que o Poder Público edite regras que afetem a “exploração da atividade econômica” ou prejudiquem a concorrência. Entre as situações que configurem a prática estão:

  • A criação de reservas de mercado para favorecer um grupo econômico;
  • A criação de barreiras à entrada de competidores nacionais ou estrangeiros em um mercado;
  • A exigência de especificações técnicas desnecessárias para determinada atividade;
  • A criação de demanda artificial ou forçada de produtos e serviços, inclusive “cartórios, registros ou cadastros”;
  • Barreiras à livre formação de sociedades empresariais ou de atividades não proibidas por lei federal.

Quanto aos negócios jurídicos, fica definido que as partes de um negócio poderão definir livremente a interpretação de acordo entre eles, mesmo que diferentes das regras previstas em lei.

Foi criado o Comitê do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais da Receita Federal (Carf) e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) terá poder para editar Súmulas Tributárias para vincular os atos normativos dos dois órgãos.

A Lei define novas regras para o registro, a elaboração de regulamentos e os pedidos de insolvência de fundos de investimentos.

O Fundo Soberano é extinto, antiga poupança formada com parte do superávit primário de 2008, que está zerado desde maio de 2018.

Por seguinte a Lei de Liberdade econômica busca a desburocratização e trazer facilidade para o empreender. Seja na facilidade de abertura de novos negócios, nas relações trabalhista e também em uma maior proteção para os empresários.

Com essa medida o governo espera aquecer a economia e o Brasil poder ter mais empreendedores.

 

Contatos:

Sandra Menezes

Anderson Amaral

Thiago Santana

Smart decisions. Lasting value.

© 2019 Crowe Macro Auditoria e Consultoria Ltda.
Crowe Macro Auditoria e Consultoria Ltda. is a member of Crowe Global, a Swiss verein. Each member firm of Crowe Global is a separate and independent legal entity. Crowe Macro Auditoria e Consultoria Ltda. and its affiliates are not responsible or liable for any acts or omissions of Crowe Global or any other member of Crowe Global.